top of page

Hardening: conheça o conceito que aumenta a proteção dos sistemas.

O conceito de hardening, proteção do sistema, deve ser entendido e trabalhado por companhias que buscam minimizar o risco de ataques cibernéticos nas organizações.



Hackers, vírus e outras ameaças cibernéticas podem acessar dados confidenciais mantidos por uma empresa por meio de pontos de entrada na superfície de ataque.


Um dos principais motivos que levam a problemas de auditoria e violações de segurança são as alterações de configuração que geram desvios de conformidade. Cada vez que um novo servidor ou usuário é adicionado, ou um novo aplicativo é instalado, cria-se uma oportunidade para o surgimento de vulnerabilidades.


Neste artigo, mostramos como o conceito e as boas práticas de hardening ajudam a empresa a minimizar sua exposição a ameaças cibernéticas, aumentando o nível de segurança do sistema corporativo.


Continue a leitura!


O que é hardening em cibersegurança?


Dentro da estratégia de TI, hardening é um processo destinado a eliminar um meio de ataque corrigindo vulnerabilidades e desativando serviços não essenciais.


Basicamente, hardening é o processo que visa garantir a proteção de sistemas com uma coleção de ferramentas, técnicas e práticas recomendadas para reduzir a vulnerabilidade em aplicativos de tecnologia, sistemas, infraestrutura, firmware e outras áreas.


O objetivo da proteção de sistemas é reduzir o risco de segurança, eliminando possíveis vetores de ataque, corrigindo vulnerabilidades e condensando a superfície de ataque do sistema.


Ao remover programas supérfluos, funções de contas, aplicativos, portas, permissões e acesso, os invasores e malware têm menos oportunidades de se firmar em seu ecossistema de TI.


Pilares do hardening


A proteção de sistemas exige uma abordagem metódica para auditar, identificar, fechar e controlar possíveis vulnerabilidades de segurança em toda a organização. Existem vários pilares que permitem o fortalecimento do sistema, incluindo:

  • Hardening de aplicativos

  • Hardening do sistema operacional

  • Hardening do servidor

  • Proteção de endpoint

  • Hardening do banco de dados

  • Fortalecimento da rede

Embora os princípios do hardening sejam universais, as ferramentas e técnicas específicas variam dependendo do tipo que você irá realizar.


Vale destacar ainda que a proteção do sistema é necessária durante todo o ciclo de vida da tecnologia, desde a instalação inicial, passando pela configuração, manutenção e suporte, até o descomissionamento no final da vida útil.


Hardening: 3 principais benefícios


A proteção de sistemas requer esforço contínuo, mas a estratégia traz uma série de benefícios substanciais que impactam em toda a sua organização por meio de:

  • Funcionalidade do sistema aprimorada: como menos programas e menos funcionalidades em uso, o risco de problemas operacionais, configurações incorretas, incompatibilidades e comprometimento também é menor.

  • Segurança de alto nível: a proteção de aplicativos/sistemas envolve o uso de ferramentas como firewalls, software antivírus, gerenciadores de senhas, criptografia e outros recursos. Tudo isso melhora o perfil de segurança de uma organização, tornando-a forte o suficiente para resistir a vários tipos de ataques e perigos. Uma superfície de ataque reduzida se traduz em um menor risco de violação de dados, acesso não autorizado, invasão de sistemas ou malware.

  • Melhor desempenho do sistema: atualizações do sistema operacional e patches específicos de segurança são partes integrantes do processo. Tais dois métodos melhoram o desempenho do servidor e do sistema e os tornam mais produtivos e disponíveis 24 horas por dia.

  • Enormes economias de custos a longo prazo: quando o hardening é usado, os perigos cibernéticos são evitados. O custo de um ataque cibernético pode chegar a milhões de reais. Você pode acabar em falência se um ataque for muito ruim. Portanto, investir na proteção do sistema/aplicativo economiza altas despesas geradas após um ataque.

  • Auditoria sem complicações: se você possui ativos e recursos digitais, as auditorias são obrigatórias. Mas, quando a empresa precisa auditar um alto volume de dados ou recursos, as coisas se tornam complexas. A proteção do aplicativo/sistema divide os requisitos de auditoria em componentes menos complexos e os torna fáceis de manusear. Menos programas e contas, mantidas em um ambiente com complexidade reduzida, significa que a auditoria tende a ser mais transparente e direta.

Hardening: 10 melhores práticas recomendadas para a proteção dos sistemas


O complicado é que o fortalecimento da segurança cibernética pode ser um tanto subjetivo, dependendo do tipo de negócio que você está apoiando. Uma das melhores coisas que você pode fazer é seguir uma lista de verificação de proteção publicada pelo NIST ou CIS Center .

Ao usar uma dessas listas de verificação como guia ou linha de base, você pode decidir quais etapas são exageradas para o seu ambiente ou podem interferir nos negócios.


De todo modo, para ajudar, apresentamos as 10 melhores práticas de hardening.


#1 Audite seus sistemas existentes:

Realize uma auditoria abrangente de sua tecnologia existente. Use testes de penetração, verificação de vulnerabilidades, gerenciamento de configuração e outras ferramentas de auditoria de segurança para encontrar falhas no sistema e priorizar correções. Realize avaliações de fortalecimento do sistema em relação aos recursos usando os padrões do setor de NIST, Microsoft, CIS, DISA, entre outros.


#2 Crie uma estratégia para proteção de sistemas: Você não precisa proteger todos os seus sistemas de uma só vez. Em vez disso, crie uma estratégia e um plano com base nos riscos identificados em seu ecossistema de tecnologia. Para tanto, comece definindo quais ações serão executadas em fases, para corrigir as falhas mais preocupantes.



#3 Vulnerabilidades de patch imediatamente:


Invista em um sistema automatizado e abrangente de identificação e correção de vulnerabilidades. Identifique vulnerabilidades sistematicamente e priorize a correção. Em alguns casos, as vulnerabilidades não podem ser corrigidas. Por isso, é importante garantir que outras medidas de mitigação de riscos sejam adotadas, como a remoção de direitos de administrador.

#4 Hardening da rede

Garanta a configuração correta do seu firewall. É importante ainda:

  • Bloquear quaisquer portas de rede abertas não utilizadas ou ociosas;

  • Desativar e remover protocolos e serviços desnecessários;

  • Implementar listas de acesso;

  • Criptografar o tráfego de rede.


#5 Hardening do servidor:


Coloque todos os servidores hospedados da empresa em um datacenter seguro. Para esta estratégia, é importante ainda:

  • Nunca testar a proteção em servidores de produção;

  • Sempre proteger os servidores antes de conectá-los à internet ou redes externas;

  • Evitar instalar software desnecessário em um servidor;

  • Segregar servidores adequadamente;

  • Garantir que os compartilhamentos de superusuário e administrativo sejam configurados corretamente;

  • Fazer a configuração dos direitos de acesso seguindo o princípio do menor privilégio.


Com ambientes de nuvem, também é particularmente importante reduzir a exposição da porta, evitando o vazamento de dados ou ainda que o acesso backdoor seja fornecido à infraestrutura.


#6 Endpoint hardening:


Para essa abordagem, é importante remover os direitos de administrador local em todos os endpoints Windows e macOS. Além disso, garanta que nenhuma estação de trabalho, laptop ou IoT tenha senha padrão.


Por fim, remova qualquer software desnecessário e bloqueie qualquer comunicação irrelevante.


#7 Hardening do aplicativo:

Remova quaisquer componentes ou funções que você não precisa; restringir o acesso a aplicativos com base nas funções e no contexto do usuário (como no controle de aplicativos); remova todos os arquivos de amostra e senhas padrão.


Para o hardening de aplicativo, é importante adotar uma solução de gestão de senhas privilegiadas, que defina as melhores práticas de senha, como rotação de senha, comprimento, caracteres obrigatórios, entre outros requisitos.

A proteção de aplicativos também deve envolver a inspeção de integrações com outros apps e sistemas, bem como a remoção ou redução de componentes e privilégios de integração desnecessários.


#8 Hardening do banco de dados:


Um conjunto de boas práticas viabiliza o sucesso com este tipo de abordagem:

  • Criar restrições administrativas, como controle de acesso privilegiado, sobre o que os usuários podem fazer em um banco de dados;

  • Ativar a verificação de nó para apps e usuários;

  • Fazer criptografia de informações do banco de dados — tanto em trânsito quanto em repouso;

  • Orientar os colaboradores para o uso de senhas seguras;

  • Conceder privilégios de controle de acesso baseado em função (RBAC);

  • Remover contas não utilizadas.

#9 Fortalecimento do sistema operacional:


Essa prática exige que as atualizações do sistema operacional, service packs e patches sejam feitas automaticamente.


Para fortalecer o sistema operacional, também é importante remover drivers desnecessários, compartilhamento de arquivos, bibliotecas, software, serviços e funcionalidades ociosas.

Além disso, outras ações recomendadas são:

  • Criptografar o armazenamento local;

  • Restringir o registro e outras permissões de sistemas;

  • Registrar todas as atividades, erros e avisos;

  • Implementar controles de usuários privilegiados.


#10 Elimine contas e privilégios desnecessários:

Uma das boas práticas de hardening é definir acessos mínimos, removendo contas desnecessárias (como contas órfãs e contas não utilizadas) e privilégios em toda a sua infraestrutura de TI. Essa é uma das práticas de segurança mais poderosas para reduzir a superfície de ataque.


Para tanto, é importante:

  • Ter uma política de senha do usuário que consiste com uma senha forte alterada regularmente;

  • Impedir que usuários não autenticados acessem o ambiente;

  • Livrar-se de todos os serviços, drivers e softwares desnecessários;

  • Executar atualizações do sistema automaticamente;

  • Documentar todos os erros, avisos e atividades suspeitas.

Hardening: estratégia fortalece a cibersegurança e torna empresa mais resiliente


Embora demore um pouco para conceber e implementar as práticas recomendadas de fortalecimento da segurança, o resultado será mais do que positivo. Com o hardening, a tendência é que o sistema funcione de forma mais eficaz. Isso porque o fardo de aplicativos, softwares e permissões desnecessárias e desatualizadas é removido.


Além disso, a estratégia de segurança é aprimorada e a probabilidade de violações de dados ou ataques de malware diminui muito. Por fim, será mais fácil concluir auditorias obrigatórias e avaliações de conformidade, já que os processos passam a ser executados e geridos em um ambiente de segurança cibernética mais organizado.


Na prática, a estratégia de hardening é uma atividade importante de cibersegurança, que contribui para tornar sua organização mais robusta e resiliente.


18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page